Barilive: 8 fatos sobre obesidade e cirurgia bariátrica em mulheres

Cirurgia Bariátrica / Notícias / Notícias Destaque

“Cirurgia bariátrica em mulheres” foi o tema do Barilive transmitido nas redes sociais da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM) na noite desta quinta-feira (29). O encontro reuniu três das maiores cirurgiãs especialistas no assunto, entre elas Galzuinda Maria Figueiredo Reis, Paula Volpe e Luciana El-Kadre.

PRESSÃO SOCIAL

Segundo as especialistas, as mulheres representam 70% das buscas por cirurgia bariátrica. Quando as pesquisas abordam temas como a cirurgia metabólica para tratamento do diabetes, a proporção entre os sexos é mais equilibrada. Para Paula Volpe, isso ocorre porque existe uma pressão social que pune as mulheres obesas enquanto homens nas mesmas condições são mais bem aceitos.

ANTICONCEPCIONAL

Segundo Luciana El-Kadre, o uso de anticoncepcionais deve ser interrompido antes da operação para prevenir riscos de trombose e outras complicações. Já é consenso, também, que o uso de outras alternativas de anticoncepção são necessárias para evitar uma gravidez indesejada devido a diminuição da capacidade de absorção do organismo após a cirurgia bariátrica.

GESTAÇÃO

Com a perda de peso promovida pela cirurgia bariátrica, as mulheres retomam sua fertilidade e a gestação é recomendável que aconteça a partir de dois anos da operação. 

“É neste tempo que, do ponto de vista nutricional, o organismo do paciente vai estar mais estável e a gestação será mais segura para o desenvolvimento do feto e proteção da própria mãe”, afirma Paula Volpe.

As especialistas reforçam que a gravidez deve ser acompanhada pela equipe multidisciplinar para garantir que todos os índices nutricionais estejam equilibrados para garantir a segurança da gravidez. 

“Muitas mulheres que menstruam e têm deficiência de ferro quando ficam grávidas deixam de menstruar e conseguimos compensar essa deficiência. O que pode surgir é uma necessidade maior de suplementação proteica na mulher grávida”, explica Luciana. 

CABELO

A queda de cabelo é uma das preocupações mais comuns de mulheres no consultório antes e depois da cirurgia bariátrica. De acordo com as especialistas, a queda pode acontecer em qualquer dieta hipocalórica devido ao não fornecimento de vitaminas necessárias. A recomendação é que as pacientes mantenham acompanhamento com nutricionista e administrem suplementos ricos em ferro e vitaminas do complexo B.

> Estratégias nutricionais auxiliam no combate a alopecia do paciente bariátrico

CIRURGIA PLÁSTICA

Além dos aspectos para a saúde da paciente, a cirurgia plástica também promove ganhos estéticos e que trazem qualidade de vida sob o aspecto emocional dessas pacientes.

“A mulher é muito vaidosa então quando ela começa a emagrecer, começa a querer se arrumar, comprar roupas e fazer planos que antes não faria. É então que a cirurgia plástica vem de encontro com essa paciente”, comenta Paula Volpe.

“A cirurgia plástica deve ser realizada quando o peso da paciente estiver estabilizado. É importante também que a paciente esteja bem suplementada para ter melhores resultados de cicatrização no pós-operatório”, lembra Luciana El-Kadre.

ATIVIDADE FÍSICA PARA MULHERES

Os resultados a longo prazo mostram que as pessoas que aderem à atividade física, aeróbico ou musculação, apresentam melhores resultados na cirurgia plástica. O exercício físico regular também traz resultados no controle da ansiedade e do próprio peso.

SUPLEMENTAÇÃO DE VITAMINAS

Todo o paciente precisa tomar suplementação de vitaminas e minerais após a operação. Entre as principais necessidades estão as vitaminas do complexo B. Uma particularidade das mulheres é a necessidade de um aporte maior de ferro nos primeiros anos, esse valor fica mais estável e proporcional ao dos homens a partir dos três a quatro anos de pós-operatório. As cirurgiãs também mencionaram que a suplementação de cálcio é fundamental em qualquer procedimento ou dieta que cause um emagrecimento acelerado para evitar que o organismo busque o mineral nos ossos.

CIRURGIA EM MULHERES COM MAIS DE 60 ANOS 

Segundo as especialistas, a idade não é mais um fator determinante e excludente para as pacientes que buscam a cirurgia bariátrica, sendo o emagrecimento, inclusive, benéfico para a diminuição do peso sobre as articulações do joelho e quadril, por exemplo. A diminuição do peso traz qualidade de vida, mobilidade e diminui os riscos do desenvolvimento ou agravamento de artroses e outros desgastes. 

“O que vai indicar uma operação ou outra são as doenças associadas. Hoje o número de pessoas que estão ativas e com mais idade é muito grande. O que precisa ser avaliado são as condições clínicas, vantagens e riscos do procedimento”, explica Paula Volpe.

NÚMEROS DE CIRURGIAS BARIÁTRICAS NO PAÍS

O crescimento de 84% no número de cirurgias bariátricas entre 2011 e 2018 também foi discutido durante a transmissão. Para as especialistas, apesar do número crescente, a cirurgia não atinge nem 1% das pessoas que tem indicação para o tratamento cirúrgico. 

Leia mais aqui: Cirurgia bariátrica cresce 84,73% entre 2011 e 2018