Blog

Dia Mundial do Diabetes – Cirurgia metabólica poderá revolucionar tratamento do diabetes

Cirurgia Bariátrica / Cirurgia Metabólica / Diabetes / Imprensa / Institucional / Multidisciplinar / Notícias

CFM avalia proposta de criação de critérios rígidos para indicação da cirurgia que é alternativa eficaz no controle da doença e apresenta resultados melhores do que terapias clínicas, quando estas falham; estimativas apontam que em 2040 a cada dez adultos um será diabético

 

Símbolo do Dia Mundial do Diabetes

Símbolo do Dia Mundial do Diabetes

Em 14 de novembro é celebrado o Dia Mundial do Diabetes, data que marca a importância da conscientização, prevenção e combate a esta doença crônica e de difícil controle. De acordo com dados da IDF – International Federation of Diabetes, em 2015, cerca de 415 milhões de adultos tinham diabetes, número que deve chegar a 642 milhões em 2040 na proporção de um diabético em cada dez adultos. A IDF também alerta que em dois adultos com diabetes, um não é diagnosticado e que 12% das despesas globais com saúde são utilizadas em adultos com a doença.

 

Atualmente no Brasil são cerca de 13,5 milhões de diabéticos, de acordo com a SBD-Sociedade Brasileira de Diabetes. É neste cenário que os diabéticos poderão ter um novo aliado, além da terapia clínica, na luta contra a doença: a cirurgia metabólica.

 

“O diabetes vem crescendo vertiginosamente em todo o mundo e a comunidade científica está buscando soluções para combater esse avanço. Sem dúvida a cirurgia metabólica representa uma opção para os pacientes que não conseguem controlar a glicemia elevada com os tratamentos convencionais”, comenta Dr. Josemberg Campos, presidente da SBCBM.

 

Em todo mundo diversos estudos e pesquisas científicas comprovam que a intervenção cirúrgica é uma opção real e efetiva para controlar o diabetes descompensado. “A cirurgia metabólica é tecnicamente similar aos procedimentos da bariátrica, mas possui o objetivo específico de tratar e controlar síndromes metabólicas, que têm como principal característica a resistência insulínica”, explica Dr. Josemberg.

 

Diretrizes para a cirurgia metabólica
Em maio deste ano, um comunicado assinado por 45 entidades mundiais que estudam o diabetes, entre elas a SBCBM, foi publicado no jornal Diabetes Care, da Associação Americana de Diabetes. O documento foi elaborado em setembro do ano passado durante o 2º DSS – Diabetes Surgery Summit, que aconteceu em Londres.

 

O texto endossa a cirurgia metabólica como opção de tratamento do diabetes tipo 2, em linha com as evidências científicas apresentadas em diversos estudos internacionais e apresenta algumas diretrizes para o procedimento, entre elas, a realização da cirurgia em pacientes com IMC – Índice de Massa Corporal entre 30 kg/m² e 35 kg/m².

 

Pesquisa-dadosEficácia comprovada por estudos
Diversos estudos e pesquisas científicas nacionais e internacionais revelam que a intervenção cirúrgica é uma opção real e efetiva para controlar o diabetes. Além da já conhecida cirurgia bariátrica, a cirurgia metabólica é uma das formas de controle desta doença crônica e progressiva. Tecnicamente são similares, porém a segunda tem o objetivo principal de tratar e controlar os componentes da Síndrome Metabólica, que têm como dentre suas características a hiperglicemia e resistência insulínica.

 

Um dos estudos, realizado pelo National Institute for Health Research, do Reino Unido, e publicado na revista Lancet Diabetes & Endocrinology, avaliou o efeito da cirurgia bariátrica no desenvolvimento de diabetes tipo 2 em indivíduos operados e numa população de indivíduos obesos. O resultado apontou que a cirurgia bariátrica reduz em 80% o risco de desenvolvimento de diabetes tipo 2 nos operados.

 

Outro levantamento publicado pela Lancet e conduzido pelo King’s College London e Università Cattolica de Roma, comparou os resultados em longo prazo do tratamento clínico e do cirúrgico do diabetes. Em cinco anos não houve mortalidade nem complicações, sendo que 50% do grupo cirúrgico tiveram e mantiveram a remissão da diabetes, contra nenhum dos pacientes submetidos ao tratamento convencional.

 

Mais um estudo de destaque é o STAMPEDE – Surgical Therapy and Medications Potentially Eradicate Diabetes Efficiently, primeiro randomizado feito para analisar a efetividade de tratamentos cirúrgicos e clínicos para o diabetes tipo 2, conduzido pela Cleveland Clinic. Os resultados mostram que os grupos cirúrgicos obtiveram controle glicêmico, perda de peso consistente e redução de medicamentos para diabetes tipo 2, assim como diminuição do risco cardiovascular. Após cinco anos, os efeitos metabólicos do tratamento cirúrgico se mantêm e são efetivos no tratamento da doença tanto em obesos moderados ou severos.

 

Fotos: Agência Brasil Fotografias (via Flickr / CC BY 2.0) / PressoPhoto (via Freepik)