NOTÍCIAS

  1. Home
  2. /
  3. Notícias, Notícias Destaque, Sem categoria
  4. /
  5. Diretoria da SBCBM se...

Diretoria da SBCBM se reúne com Ministro da Saúde em Brasília

Notícias / Notícias Destaque / Sem categoria

O Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, recebeu a diretoria da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM), na segunda-feira (29), em Brasília.

Participaram da audiência o presidente da SBCBM, Marcos Leão Vilas Boas, o vice-presidente executivo da SBCBM, Luiz Vicente Berti; o presidente do Capítulo da SBCBM no Mato Grosso do Sul, Wilson Cantero e a tesoureira da SBCBM, Galzuinda Maria Figueiredo Reis .

O objetivo foi discutir alternativas para melhorar o cenário da cirurgia bariátrica e metabólica no país, com déficit no número de procedimentos, se comparado a demanda de pacientes que necessitam de tratamento nos estados.

O Ministro também recebeu o convite de honra  para participar da 20ª edição o Congresso Brasileiro de Cirurgia Bariátrica e Metabólica, que será realizado no mês de maio em Curitiba.

Custo da obesidade – No Brasil, o custo da obesidade chega à 2,4% do PIB e está estimado em  R$ 84.3 bilhões/ano. Além disso, 69.3% do total de mortes são atribuídos a doenças crônicas não transmissíveis, como doenças cardiovasculares (30,4%), neoplasias (16.5%), doenças respiratórias (6,0%) e o diabetes (5,3%)[1] – muitas associadas à obesidade.

“Precisamos democratizar o acesso à cirurgia bariátrica e metabólica, oferecendo o melhor tratamento para o grande número de pessoas que necessitam de atenção e tem sua qualidade e expectativa de vida reduzidas”, afirmou o presidente da SBCBM, Marcos Leão Vilas Boas

Atualmente são realizadas aproximadamente menos de 100 mil  cirurgias bariátricas por ano, sendo 10 mil pelo SUS.  

O ministro se mostrou sensível ao quadro e designou equipe técnica para buscar solução adequada com o orçamento da pasta e a realidade do país.

DIABETES TIPO 2 – Outro tema abordado foi a cirurgia metabólica para pacientes com Diabetes Tipo 2, que passou a ser indicada em 2017, à partir da Resolução do Conselho Federal de Medicina (2.172/2017),  para o tratamento de pacientes com Diabetes Tipo 2 e IMC entre 30.0 kg/m² e 34.9 kg/m², sem resposta ao tratamento clínico convencional.

Pessoas com diagnóstico de diabetes tipo 2 associado a obesidade que não obtém um equilíbrio nos níveis de açúcar, são os pacientes que mais desenvolvem retinopatias, doença hepática renal e doenças cardiovasculares, segundo as Sociedades Brasileira de Cardiologia,  Oftalmologia e Sociedade Brasileira de  Hepatologia.