1. Home
  2. /
  3. Notícias, Notícias Destaque
  4. /
  5. SBCBM reforça na Câmara...

SBCBM reforça na Câmara dos Deputados que obesidade é doença crônica e fator de risco para COVID-19

Notícias / Notícias Destaque

A obesidade é uma doença crônica, está entre os principais fatores de risco para complicações e óbitos de vítimas da COVID-19 e não pode ser comparada com cirurgias estéticas.  Estes foram alguns pontos defendidos com evidências pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM), em audiência pública online realizada pela Comissão Externa da Câmara dos Deputados, nesta terça-feira (27).

O deputado Jorge Solla (PT/BA) e a deputada Alice Portugal (PCdoB/BA) assumiram a responsabilidade de encaminhar dois requerimentos. O primeiro para o Ministério da Saúde, voltado para a priorização da vacinação para portadores de obesidade. O segundo requerimento será encaminhado para o Ministério da Saúde, Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde) e Conasems (Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde) para priorização dos procedimentos cirúrgicos para tratamento da obesidade.

Foto: Gustavo Sales/Câmara dos Deputados

“A obesidade mata. Cerca de 70% das pessoas obesas mórbidas vão morrer antes dos cinquenta anos e aquelas que chegam até a terceira idade possuem uma qualidade de vida muito ruim. E agora, além de tudo isso, descobrimos que a obesidade é fator de risco para a COVID-19. Mais de 46% dos obesos têm mais risco de adquirir COVID, 113% de chance de precisar de internação hospitalar, 74% de precisar de UTI e 64% de ser intubado”, declarou o presidente da SBCBM, Dr. Fábio Viegas.

Ele também reforçou que as cirurgias bariátrica e metabólica não podem ser comparadas com cirurgias estéticas. “O que nós queremos, como entidade, médicos e pacientes, é que a cirurgia seja vista como prioridade para pacientes de alto risco. Comparando-a com cirurgias que buscam devolver a qualidade de vida das pessoas como a oncológica e cardiovascular na retomada das cirurgias”, reforça.

Também convidado para a audiência, o membro da Câmara Técnica de Cirurgia Bariátrica e Metabólica do Conselho Federal de Medicina (CFM), Dr. Ricardo Cohen, declarou que a epidemia do século não é a COVID-19, assim como não foi a H1N1, mas sim a diabesidade, binômio utilizado para designar a mistura de diabetes e obesidade. “Câncer e obesidade têm o mesmo tipo de comportamento. São doenças crônicas, progressivas e letais. Então, deixar portadores de obesidade e diabetes sem acesso à cirurgia é o mesmo que deixar portadores de câncer ao léu esperando seu destino”, declarou Cohen.

O convite para participar da audiência veio do coordenador da Comissão Externa de Enfrentamento à COVID-19, deputado federal Dr. Luiz Antônio Teixeira Jr. O objetivo da audiência  foi debater a situação das pessoas obesas, a obesidade como fator de risco, a “gordofobia” e a realização de cirurgias bariátricas durante a pandemia do novo coronavírus. 

DADOS – A obesidade sabidamente é um grande fator de risco para pacientes desenvolverem COVID-19 grave com maior necessidade de internamento e de UTI. Já existem estudos apontando que há maior vulnerabilidade imunológica ao COVID-19 em pacientes portadores da obesidade, fazendo com que eles também adquirem mais facilmente a doença. 

Fatos sobre a obesidade e Covid-19

  • 46% mais risco de contrair COVID-19 
  • 113% mais risco de precisar de internamento hospitalar 
  • 74% mais risco de precisar de UTI
  • 66% mais risco de utilizar ventilação mecânica invasiva 
  • 48% mais risco de morte

Fatos sobre pacientes que se submeteram à Cirurgia Bariátrica e o Covid-19

  • 72% menos internamento por COVID-19
  • 78% menos mortalidade (13% de mortalidade no grupo da Obesidade x 3% em quem fez Bariátrica) 
  • Cirurgia Bariátrica leva a uma perda de peso substancial e sustentada, melhorando rapidamente o perfil metabólico do paciente, incluindo controle da glicemia, pressão arterial e dislipidemia.

Existem ainda evidências fortes que a cirurgia melhore o sistema imune e níveis de marcadores inflamatórios. Esses dados mostram que pacientes com Obesidade se tornam mais saudáveis após a Cirurgia Bariátrica e se tornam aptos a lutarem melhor contra a infecção causada pelo novo coronavírus. Nesse sentido, evidências sugerem que devido à natureza progressiva da obesidade e do diabetes, o adiamento da cirurgia aumenta os riscos de morbimortalidade, dependendo do tipo e da gravidade de suas comorbidades.

Nossos parceiros

Parceiro Platinum

Parceiro Ouro

Parceiro Ouro

nn_logo_rgb_blue_large

Parceiro Bronze

Pfizer_Logo_Color_RGB

Sites Parceiros

Segunda à Sexta | Rua Maestro Cardim, 560 - cj. 165 - CEP 01323-000 | São Paulo SP
Whatsapp: 11 9.9477.9049| T + 55 11 3284 6951

Mapa do site

Acessar